BOM DIA, BOA TARDE, BOA NOITE E BOA SORTE. QUE DEUS NA SUA INFINITA BONDADE NOS ILUMINE HOJE E SEMPRE.
CLEMENTINO POETA E MUSICO
Paraiso dos poemas e canções do CAIÇARA CLEMENTINO, poeta e músico de São Sebastião - SP/BR
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Áudios

BELEZA TRISTE SEM VOCE
Data: 03/02/2012
Créditos:
FICHA TÉCNICA:

Letra, música, arranjos instrumentais, base no violão e interpretação: Violonista CLEMENTINO.
Piano - Fabrício Santana
Baixo elétrico - Helder Jonnas
Batera: Eder Luiz
Diretor e produtor musical: ARMANDO LEITE
Estúdio de gravação: TECNOARTE.
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (DEPÓSITO EM MINHA CONTA BANCÁRIA QUE INFORMAREI POR OCASIÃO DO CONTRATO). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.





BELEZA TRISTE SEM VOCÊ






 
Céu azul, praia e mar,
Natureza
Tudo é lindo, tão lindo pra mim.
Céu azul, praia e mar,
Natureza,
Tudo é lindo, beleza sem fim.





                   



Ondas que se quebram,
Na areia, sem parar;
Beijam calmamente,
As praias do lugar.

As espumas brancas
Voltam para o mar;
E, num vai e vem,
Vão se encontrar.







Eu que estou aqui,
Que vim pra te encontrar;
Vejo este cenário
Tão lindo de viver,
Não posso calar,
Tenho que dizer:
Que tanta beleza
É TRISTE SEM VOCE.

   
   










 
 

Nota do Autor:

 

1 - BELEZA TRISTE SEM VOCE é uma canção com ritmo de samba bossa nova, que nasceu como um poema para a minha linda namorada Valderiza, em dezembro de 1.958 quando eu tinha apenas treze anos de idade. Verdadeira mensagem de amor um tanto bucólica, vez que naquele momento me sentia tão só à espera desse amor de criança. Nele acrescentei natureza em primeiro lugar. A melodia realçou a beleza local, enquanto que a palavra cantada ou declamada nos dá conta de como a própria natureza fica triste se estamos sós, isto é, sem aquele alguém que amamos. Sem a nossa cara metade. Dois anos depois, ou seja: em l.960 eu musiquei esse poema. E assim é a nossa poesia que se fundiu na canção.
2 - Hoje, 01 de setembro de 2017, revisando os meus arquivos de fotos encontrei esta que publiquei agora. A foto não é da minha autoria, pois eu a colei de algum amigo do Facebook. Esta foto retrata literalmente o local onde eu me encontrava quando escrevi o poema. Daí a razão da minha postagem como foto ilustrativa principal.

 

Enviado por CLEMENTINO POETA E MÚSICO em 31/01/2009

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Depósito em minha c. c. oportunamente. ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Comentários