BOM DIA, BOA TARDE, BOA NOITE E BOA SORTE. QUE DEUS NA SUA INFINITA BONDADE NOS ILUMINE HOJE E SEMPRE.
CLEMENTINO, poeta e músico de  São Sebastião - SP
Paraíso dos poemas e canções de um poeta e músico caiçara
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos




 
FELICIDADE [MONÓLOGO] 


  


 
                        Não. Eu não tenho inveja de nada e de ninguém. Não invejo quem é feliz. Muito ao contrário. Admiro muito a pessoa que conseguiu encontrar-se com a felicidade e com ela anda de mãos dadas. Que declara sinceramente e do fundo do coração que nada tem a reclamar, pois a felicidade existe e está consigo.
                                É. Num universo de mais de seis bilhões de seres humanos alguém poderia dizer-me quantas pessoas tem esse privilégio? Embora acreditando parcialmente, pois sei que existem, tenho comigo a mais absoluta certeza de que ninguém consegue ser feliz vinte e quatro horas por dia durante toda a sua existência terrena (vida), assim como também não é e nem será infeliz durante as vinte e quatro horas de um dia durante um mês ou um ano.

                               - Ei cara Felicidade. Bom dia. Estou aqui e quero ser teu amigo. Quero também estar contigo. Podes chegar-te até aqui? Até a mim?
                               - Tu és tão popular. Todos te querem e te procuram. Aliás, o mundo inteiro está em busca de ti, Felicidade.
                               - Ba! Em vão essa minha conversa. Essa danada  não quer nada comigo. Eu já fiz de tudo para que ela se rendesse. E o que ganhei com isso? Só desilusão, sonhos e desespero.
                               - Um dia sonhei com a felicidade. Estava multicolor. Branca, Verde, Azul, Laranja, Vermelha, Roxa, Rosa, Amarela. Parecia mais um arco-íris. Aproximou-se de mim e jurou fidelidade. Jurou que estaria comigo pelo tempo em que eu dela precisasse.

                              Ah! Com ela estava o meu amor. O meu grande amor. Lindos dias, meses, anos se passaram. Ainda que depois tenha me decepcionado tanto, sou obrigado a agradecer aqueles momentos que foram eternos e inesquecíveis.
                           - Mas cadê essa danada? Pra onde ela foi? Ei Felicidade, por que me abandonastes? Por que seguistes o meu ex-amor se ele(a) não precisa mais de ti? Ele(a) já escolheu outra  felicidade a seguir.
                              - Ah! que pena. Tudo voltou ao normal. A noite findou e a aurora chegou.
                              - Clementino, o teu despertador está tilintando. Quer que eu o desligue ou vais levantar agora? Já são seis horas da manhã. Era a minha consciência chamando-me para as obrigações diárias.
                    Cadê a felicidade? Ela um dia voltará pra ficar.




 
CLEMENTINO POETA E MÚSICO
Enviado por CLEMENTINO POETA E MÚSICO em 19/04/2011
Alterado em 05/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Depósito em minha c. c. oportunamente.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários