BOM DIA, BOA TARDE, BOA NOITE E BOA SORTE. QUE DEUS NA SUA INFINITA BONDADE NOS ILUMINE HOJE E SEMPRE.
CLEMENTINO, poeta e músico de  São Sebastião - SP
Paraíso dos poemas e canções de um poeta e músico caiçara
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


 
TRANSA NAS ONDAS – PARÓDIA
 
 
 
 
Mineiro não quer morrer afogado nesse trem........
Sente muita dor. E mandar dizer:...............................
Saia do seu porão. ........................................................
Se o navio afundar e estas ondas nos pegarem......
Sabe que é sem solução..................................
Mais do que isso Sinhá....................................
Você nem sabe:.................................................
O navio já não tem mais onde furar.............    
Está sob as ondas sim,..................................
Vê se isso é hora de transar?.....................


Morreremos no mar......................................                    


 

                     (BIS)
Mineiro não quer morrer afogado nesse trem;

                                                                
                
    ///
     ///
                  

               



                       
           









Nota do autor:
Está paródia é uma brincadeira sadia e sem cunho comercial com a linha melódica da música TREM DAS ONZE, de autoria do mestre ADONIRAM BARBOSA.
O meu objetivo é homenagear os mineiros que a tudo chamam de trem. com este eterno samba dos paulistas.
As fotos ilustrativas são da minha autoria, captadas de filmes na TV.
CLEMENTINO POETA E MÚSICO
Enviado por CLEMENTINO POETA E MÚSICO em 16/02/2015
Alterado em 16/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Depósito em minha c. c. oportunamente.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários