BOM DIA, BOA TARDE, BOA NOITE E BOA SORTE. QUE DEUS NA SUA INFINITA BONDADE NOS ILUMINE HOJE E SEMPRE.
CLEMENTINO POETA E MUSICO
RECANTO DAS CANÇÕES E POEMAS DO CLEMENTINO. POETA E MÚSICO CAIÇARA DE SÃO SEBASTIÃO - SP/BR
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


 
SIMBIOSE
 

 
Proêmio:
 
 
                     Pois é! Essa sede de ficar, esses desejos apaixonados, essa fuga da realidade que empreendemos em certos momentos sem cuidado e sem vigília achando que tudo é amor, ou que esse amor acontecerá naturalmente com o convívio diário, ás vezes acabam nos confundindo.
                    O amor, a paixão e a vontade de ficar são na maioria das vezes antagônicos. Isto porque, o amor exige compreensão, respeito, abnegação, carinho mútuo, mas sem cobrança. A compatibilidade de gênios precisa estar presente durante toda a vida e convivência de um casal.
                    A paixão nada mais é do que uma atração física temporária, sem olhos para o perfil de cada pessoa. Enquanto apaixonados e fascinados aceitam-se tudo, até o impossível.
                    E o tal de ficar como se diz hoje em dia nada mais é do que o prazer de transar. Trata-se de uma das tantas necessidades fisicas inerentes a todos os animais racionais ou irracionais.
                     Justamente por não darmos a devida atenção ao que acontece ao nosso redor e por conta do nosso açodamento muitas vezes acontece isso:


                       



 
O poema:
 
                     Sorrindo, a ela eu entreguei o meu coração. Feliz, também sorrindo ela retribuiu o meu gesto. Os anos, um a um, passaram ligeiros sem que percebêssemos. Toda felicidade possível residia em nós.
                      Tal uma abelha sugando o néctar de uma flor sugávamos um ao outro a cada instante e em qualquer espaço em que estivéssemos. O mundo se resumia em cada partícula do nosso ser e do nosso corpo físico.
                      Simbiose. Esta é a palavra certa para nos definir. Nada mais queríamos para viver a não ser essa união insigne.  Claro, além dos cumprimentos das nossas tarefas profissionais e obrigações diárias tão necessárias e sagradas.
                  Chegou o momento fatídico. Descobrimos que na maioria das vezes, embora nos quiséssemos muito, discordávamos de tudo.

                    Cadê o amor? Cadê a compatibilidade de gênios? Cadê aquela ânsia de querer se os nossos espíritos clamavam a separação? Todos devem imaginar o que aconteceu conosco. Não é mesmo?





 
 
CLEMENTINO POETA E MÚSICO
Enviado por CLEMENTINO POETA E MÚSICO em 20/08/2017
Alterado em 20/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Depósito em minha c.c. oportunamente.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários