BOM DIA, BOA TARDE, BOA NOITE E BOA SORTE. QUE DEUS NA SUA INFINITA BONDADE NOS ILUMINE HOJE E SEMPRE.
CLEMENTINO POETA E MUSICO
RECANTO DAS CANÇÕES E POEMAS DO CLEMENTINO. POETA E MÚSICO CAIÇARA DE SÃO SEBASTIÃO - SP/BR
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


      
                


 
 FOLIA DE REIS - CANTIGA
 
a) CANTIGA 


Despertai do teu sono sereno,
Levantai vem ouvir os três reis.
Belchior, Gaspar, Baltazar,
Que anunciam de Deus nova lei.
Uma lei de amor ao MENINO
JESUS CRISTO, um bebê, nosso Rei.
Vem cantar, vem rezando e saldando
Este filho de uma MANGEDORA.
Este Irmão, Este Pai, Este Rei,
Que de Deus, traz a paz Salvadora.
JEUS CRISTO é A Luz que ilumina
Nosso ser, alma tão pecadora.
E agora que já acordastes.
Já ouviu que o galo cantou.
Recebendo e saldando o Menino,
Jesus Cristo o irmão salvador.
Vem depressa saldar esse irmão,
Vem cantando com muito amor.
Tantas glórias que só fazem bem.
Concedidas por Deus nosso Pai.
Aproveita e então agradece,
Veja bem que a alegria é geral.
Venha ver este Rei que nasceu
Em Belém tudo é festa é NATAL.
 
b) CRÔNICA
                               Há anos eu queria escrever e compor esse estilo musical. Todavia só me lembrava disso quando chegavam o mês de dezembro e o natal se aproximava. Dia de reis se dá em seis de janeiro do ano novo.
                                   Vinha-me a inspiração, mas aí os meus compromissos que eram muitos e as atribulações do dia-a-dia, natural nesta época do ano me tiravam a concentração e o foco.
                           O cartório onde eu trabalhava era movimentado, por isso sempre exigia muito da nossa dedicação.
                              Passado o período das festas, principalmente o da folia de reis eu nem mais lembrava que isto existia. E sempre envolvido com outras coisas esquecia-se das folias de reis. Consequentemente não via  que o tempo voava.  
                               Passaram-se alguns anos até que um dia, acho que em 1964, não lembro a data certa comecei a escrever a minha folia de reis. Fui juntando alguns versos que aprendi com amigos de Boissucanga, Maresias, Ilhabela com os meus  versos e terminei a letra.                                                        Dentro de uma  melodia que eu também compus nós tocávamos a música na íntegra. Agora passados mais de cinquenta anos consegui concluir a minha crônica e ao mesmo tempo a cantiga de folia de reis de forma mais oficial para editar aqui no RL e no meu site.
                              A letra assim pura e simples como eu postei inicialmente não parece quase nada. Não dá pra se ter a verdadeira dimensão e a mensagem nela contida. Mas no momento em que é executada a linha melódica em consonância com  a letra fica bem bacana e bastante audível. 
                          Penso que se esta música for cantada por um bom cantor  ou cantora ou a interpretação for feita por uma banda vocal  e com acompanhamento de músicos profissionais (viola, cavaquinho, violão, acordeom, violino, pandeiro, flauta, tambor e outros instrumentos) certamente fica mais fácil de entender a proposta musical em relação à letra desta minha folia de reis que homenageia os três reis mago.
                            Quando eu tinha  uns oito ou nove anos de idade, isto por volta de 1953/54. Comecei aprender a tocar cavaquinho. Por isso logo comecei sair com o pessoal para tocar nas folias de reis, que sempre aconteciam nos dias 23, 24, 30 e.31 de dezembro e depois nos dias 5 e 6 de janeiro.
                              A gente começava com um grupo de mais ou menos dez componentes e quando o dia já estava amanhecendo tínhamos em nossa companhia às vezes de mais de quarenta, visto que de cada casa onde tocávamos saiam duas ou mais pessoas para nos acompanhar.
                              A pessoa encarregada de organizar o grupo para cantar a folia de reis era quem fazia os contatos e agendava os convites do membro chefe da família em cuja casa iria tocar. Por isso nem sempre os demais moradores daquela casa sabiam. Mas gostavam e agradeciam muito. Normalmente se  surpreendiam com a nossa presença.
                              Eram muito importantes estas surpresas, pois tornava bem agradável a nossa via sacra, tanto para nós como para os anfitriões. O principal objetivo era exatamente acordar os moradores com a música, como se fosse uma serenata.
                              Cantávamos no lado de fora o mais próximo possível do quarto principal. Normalmente as luzes da casa permaneciam apagadas até a música terminasse. Diríamos que se tratava de uma serenata religiosa.
                                Assim que terminávamos a cantoria as luzes eram acesas e os donos da casa cordialmente nos convidavam para entrar. Com carinho nos recebiam cheios de alegria e com aquela mesa farta cheia de bolos, carnes, doces e guloseimas de todos os tipos.
                         Já acomodados dentro da casa, repetíamos a música e juntos, todos os presentes, fazíamos uma oração agradecendo a Deus pela abundância, pela data e pela nossa vida.
                              Quando íamos embora para visitar outras famílias, os anfitriões e seus convivas faziam questão de nos brindar com alguma prenda bem significante. Durante anos participei das folias de reis lá na minha amada cidade de São Sebastião, litoral norte paulista.
                              Lembrar-me disto está sendo maravilhoso, ainda que a mais de cinquenta anos eu não mais participe desta maravilha de cantiga de folia de reis.
                              Quando me veio à inspiração e eu pude concluir o meu trabalho postei esse texto como a letra da música CANTORIA DE FOLIAS DE REIS, isso em 2011. Era muito difícil escrever porque sempre me fazia e faz chorar de alegria e de saudades dos tempos que jamais voltarão.
                              Para  melhor elucidar  logo no início dessa crônica eu inseri a letra da minha música. Esta sim estava guardada ha anos, pois já existia e já cantávamos desde os anos sessenta.
 
 




 

 

(CLEMENTINO, poeta e músico de São Sebastião).
 
 
 
 
CLEMENTINO POETA E MÚSICO
Enviado por CLEMENTINO POETA E MÚSICO em 09/01/2018
Alterado em 12/01/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Depósito em minha c. c. oportunamente.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários