BOM DIA, BOA TARDE, BOA NOITE E BOA SORTE. QUE DEUS NA SUA INFINITA BONDADE NOS ILUMINE HOJE E SEMPRE.
CLEMENTINO POETA E MUSICO
Paraiso dos poemas e canções do CAIÇARA CLEMENTINO, poeta e músico de São Sebastião - SP/BR
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos





 
CONFLITO COM A PRÓPRIA ALMA


 
 
 
Analise friamente quantas vezes mentalmente você fez as seguintes perguntas a Deus:
 
 
 Por que eu nasci assim?
Por que eu nasci aqui e não em outro país?
Por que eu nasci tão pobre?
Porque eu não tenho irmãos?
Por que eu não arrumo um bom emprego?
Por que eu trabalho tanto e ganho tão pouco?
Porque eu nasci homem?
Porque eu nasci mulher?
Por que os meus pais não se entendem?
Por que não nasci num lar mais rico?
Por que nenhuma pessoa gosta de mim?
Por que eu não consigo rezar?
Por que não consigo acreditar em Ti?
Por que as pessoas ás vezes me rejeitam?
Por que gente boa morre cedo e ruins duram tanto?
Por que as crianças morrem?
Por que eu não sei e não consigo amar ninguém?
Por que será que a vida é tão difícil pra mim?
Para cada uma dessas indagações existe uma resposta certa e concisa, mas a rigor, na maioria das vezes nós mesmos não queremos saber. Por quê?
Porque a resposta que queremos é sempre outra. Queremos somente coisas ligadas ao presente. Porém, na maioria delas àquelas indagações estão ligadas ao pretérito. Tudo gira em torno do que somos, fomos e fizemos. Quando entendemos o nosso passado e queremos realmente nos reformar intimamente criamos conflitos com a nossa própria alma. Daí a rejeição a muitas respostas.
(CLEMENTINO, poeta e músico de São Sebastião – SP/BR)
CLEMENTINO POETA E MÚSICO
Enviado por CLEMENTINO POETA E MÚSICO em 23/01/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Depósito em minha c. c. oportunamente). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários