BOM DIA, BOA TARDE, BOA NOITE E BOA SORTE. QUE DEUS NA SUA INFINITA BONDADE NOS ILUMINE HOJE E SEMPRE.
CLEMENTINO, poeta e músico de  São Sebastião - SP
Paraíso dos poemas e canções de um poeta e músico caiçara
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos





 
SOLUÇÃO PARA BRIGAS FAMILIAR
 
 





Dois jovens, casados entre si, eram bastante unidos e se amavam muito. Tinha um filho, o Carlinhos com mai ou menos seis anos de idade. Mas viviam brigando por qualquer coisa, principalmente ciúmes.
Vez ou outra discutiam e ficavam dois ou três dias sem sequer se falar. Nessas ocasiões inclusive dormiam em camas separadas e não rolava sexo de jeito nenhum até voltarem às pazes.
Ficava assim uma situação estranha e bem difícil. Por isso certo dia o marido aproximou-se da esposa e propôs uma solução para amenizar a situação nesses momentos, dando trégua às brigas.
Quando estiver querendo voltar numa boa ao nosso relacionamento depois de alguma discussão, você escreve um bilhete ou pede para o Carlinhos me avisar que gostaria de usar a máquina de escrever.  E eu farei o mesmo. Ela concordou de pronto.
Tudo transcorreu normal e o casal já não brigava ha um bom tempo. Um dia, do nada começaram uma briga e entre as altercações ela disse:
- Você vai ver. Não me procure mais.
Já fazia uns quinze dias que estavam brigados. O marido desesperado numa tarde, quase noite, chamou o Carlinhos e pediu:
- Fala para a sua mãe que eu hoje preciso usar a máquina de escrever. Preciso datilografar uma carta.
O garoto foi depressa avisar a mãe. Ela ainda ressentida falou para o Carlinhos:
- Diga para o seu pai que não vai dar.   A máquina de escrever está quebrada.
Inocente o garoto falou para o pai a resposta da mãe, pois não entendia bem o que eles falavam.
Logo após o jantar o marido foi para a sala ver programa de televisão e deu aquela pequena cochilada. Na cozinha, enquanto lavava as louças, ela pensou um pouco e achou que tinha sido muito duro para com o marido. Imediatamente chamou o Carlinhos e mandou o recado para o marido.
No sofá da sala o marido tomou aquele susto quando o Carlinhos chegou e foi falando:
- Papai, a mamãe falou que já consertou a máquina de escrever e o senhor vai poder usar a hora que quiser.
Bravo pra caramba o pai gritou:
- Fala pra sua mãe que eu não preciso mais da máquina.  Já escrevi a carta a mão mesmo.
 
 
 
 
Nota do autor:
Este causo refere-se aos anos de 1960, quando só pessoas mais abastadas tinham em casa uma boa maquina de escrever. Hoje em dia foi substituída em todo mundo pelos computadores e celulares de alta geração.
 
 
CLEMENTINO POETA E MÚSICO
Enviado por CLEMENTINO POETA E MÚSICO em 20/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Depósito na minha c.c. oportunamente). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários